Paraenses têm acesso a teleconsultas nas especialidades médicas de endocrinologia, neurologia, neurologia pediátrica, pneumologia, cardiologia, psiquiatria e reumatologia.

A Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sespa) avança com o projeto Telemedicina Pará, que atualmente disponibiliza pontos de acessos a consultas especializadas em Almeirim, no oeste do Pará, e mais 22 municípios de outras regiões do estado, somando 1.070 atendimentos desde que o projeto foi retomado, em agosto deste ano.

O Telemedicina Pará faz parte do programa “Assistência Médica Especializada na Região Norte do Brasil por meio da Telemedicina”, fruto de uma parceria do Programa de Apoio ao Desenvolvimento Institucional do SUS (PROADI) com o Hospital Israelita Albert Einstein, em que são ofertadas teleconsultas em 7 especialidades médicas: endocrinologia, neurologia, neurologia pediátrica, pneumologia, cardiologia, psiquiatria e reumatologia.

Na prática, o paciente passa por uma consulta na UBS, onde é identificada a necessidade de um especialista e, então, o agendamento poderá ser solicitado através do sistema do Hospital Albert Einstein.

Na data e horário agendado, o paciente retorna à UBS para consulta com médico generalista presencial e o especialista da telemedicina. Para isso, utiliza-se uma plataforma tecnológica que permite agendamento, acesso à videoconferência entre os médicos e registro de informações em prontuário eletrônico.

O projeto tem o objetivo de aperfeiçoar a qualidade da assistência e a satisfação do usuário, reduzir o número de transferências desnecessárias de pacientes e, consequentemente, aprimorar a alocação de recursos para melhorar a saúde geral da população.

“Com isso, tem-se a redução da fila de espera por consultas com especialistas na central de regulação do Estado”, explicou o secretário adjunto de Gestão de Políticas de Saúde, Sipriano Ferraz Júnior, ao pedir o compromisso contínuo das Prefeituras e dos secretários municipais de Saúde para a manutenção da infraestrutura do serviço e para a gestão de metas e resultados.

Ampliação.
No Pará, o projeto coordenado pela Sespa com o apoio das Secretarias Municipais de Saúde do Estado (Cosems), a partir dos critérios elencados pelo Ministério da Saúde, que incluem o baixo Índice de Desenvolvimento Humano Municipal (IDHM), carência de médicos especialistas e distância de centros médicos especializados.

Além de Almeirim, os atendimentos já foram ofertados nos municípios: Acará, Aurora do Pará, Belém, Bom Jesus do Tocantins, Bujaru, Cametá, Capitão Poço, Concórdia do Pará, Garrafão do Norte, Igarapé-Miri, Ipixuna do Pará, Irituia, Limoeiro do Ajuru, Mocajuba, Nova Esperança do Piriá, Oeiras do Pará, Ourém, Portel, Rurópolis, São Domingos do Capim, Abaetetuba e Castanhal.

Até o fim deste mês, Santa Luiza do Pará, Augusto Corrêa e Viseu vão aderir ao projeto, aumento para 26 municípios participantes. Com previsão inicial de implantação em 56 municípios, os próximos 30 terão o serviço implantado de forma gradativa seguindo o planejamento da Sespa, que havia suspendido a execução do programa em função da pandemia da Covid-19.

O secretário de Saúde do Pará, Rômulo Rodovalho, lembra que o atendimento remoto já é uma realidade crescente no Estado. “Essa necessidade ficou ainda mais evidente para desafogar consultas com especialistas que foram represadas durante a pandemia. Fico feliz pelos municípios que já estão aderindo ao projeto e que todos possam aproveitar a gama de atendimentos e a nossa disponibilidade em ajudar nas orientações oportunas e necessárias”, concluiu.

Fonte: g1 Santarém e Região – Pará

Foto: Pixabay

Similar Posts

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *