Iniciativa deve funcionar em usina desativada. A implantação do projeto deve tornar possível a instalação de tanques em comunidades próximas a lagos, várzeas e áreas com canais de igarapé.

Com o objetivo de possibilitar a segurança alimentar, a geração de renda, manejo e reaproveitamento de resíduos para produção de ração, deve ser implantado na comunidade União do Curumu, em Óbidos, no oeste do Pará, um projeto de piscicultura utilizando a estrutura da usina existente no município. O espaço, desativado há mais de 10 anos, deve ser adaptado para receber o projeto.

Na semana passada, as instalações da antiga usina foram visitadas por representantes do Instituto de Desenvolvimento Florestal e da Biodiversidade (Ideflor-Bio), por meio da Gerência Regional Calha Norte II, Prefeitura de Óbidos, Universidade Federal do Oeste do Pará (Ufopa) e Consultoria Equipe de Conservação da Amazônia (Ecam). A consolidação da parceria para implantação do projeto foi discutida em uma reunião.

Segundo o técnico do Instituto Jones Dam Guerreiro, que participou da reunião, com a implantação do projeto será possível instalar tanques em comunidades próximas a lagos e várzeas, e também em áreas com aproveitamento de canais de igarapé. Além da produção de pescado que será incentivada a comercialização, o que melhora a oferta de proteína à comunidade.

A prefeitura municipal deve apresentar até dezembro o levantamento de dados técnicos para o estudo de viabilidade econômica e ambiental para implantação do projeto.

A presidente do Ideflor-Bio, Karla Bengtson, ressaltou que o Instituto incentiva o desenvolvimento socioprodutivo da piscicultura, em projetos que investem na criação de espécies ameaçadas de extinção. Assim, o Ideflor-Bio contribui para a preservação da fauna; fomenta a economia da região, com geração de emprego e renda ao pequeno e médio produtor, e participa de um modelo de trabalho sustentável.

 Sobre o projeto

O projeto-piloto de piscicultura deve ser implantado na comunidade União do Cumuru, distante aproximadamente 30 km da área urbana do município, e depois se estenderá às comunidades do entorno da Unidade de Conservação (UC) Flota Trombetas, que se enquadra na categoria de Unidade de Uso Sustentável, criada pela Lei nº 9.985, de 18/07/2000.

Este tipo de UC objetiva compatibilizar a conservação da natureza com o uso sustentável de parcela dos recursos naturais. A Flota Trombetas fica na região da Calha Norte do Rio Amazonas, e é administrada pelo Ideflor-Bio.

“A aquicultura sustentável busca a produção consciente utilizando os recursos naturais, respeitando o meio ambiente e as especificidades de cada região”, esclareceu o gerente regional da Calha Norte II do Ideflor-Bio, Magno Oliveira.

A Ecam é uma organização que atua pela integração entre o desenvolvimento socioeconômico e o equilíbrio ambiental. Desde 2002, busca promover ações inovadoras, motivadas pelo interesse da sociedade e alinhadas à conservação do meio ambiente.

Fonte: g1 Santarém e Região – PA.

Foto: Reprodução.

Similar Posts

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *